Novo Opel Astra Sports Tourer: uma station wagon com uma longa tradição de sucesso

Notícias

Novo Opel Astra Sports Tourer: uma station wagon com uma longa tradição de sucesso

Novo Opel Astra Sports Tourer: uma station wagon com uma longa tradição de sucesso

18 Julho 2022

  • A 11º geração: Opel Kadett Caravan e Astra Sports Tourer definem o segmento compacto
  • Início de uma história de sucesso: a primeira ‘station’ compacta Opel Kadett A Caravan foi um sucesso de vendas
  • Versátil e flexível: muito espaço, conforto e tecnologias para trabalho e lazer
  • Fala por si: stations Astra passam a designar-se Sports Tourer a partir de 2010
  • Nova era: a mais recente geração com o Opel Vizor e o Pure Panel, surge, pela primeira vez, com uma versão eletrificada

Cerca de 25 milhões de unidades Opel Kadett e Opel Astra vendidas (5,8 milhões das quais são ‘stations’): um número impressionante que traduz um fortíssimo desempenho. Alinhados de uma ponta à outra, todos os modelos compactos da Opel construídos até agora quebrariam a cifra mágica dos 100 mil quilómetros, e formariam uma linha de veículos capaz de dar duas voltas e meia ao Equador. Os modelos compactos da Opel tornaram a mobilidade pessoal acessível a muitos, especialmente em tempos economicamente difíceis. Com as mais recentes gerações de modelos, a Opel também tornou as tecnologias de segmentos superiores acessíveis a mais consumidores, tal como tem acontecido com todos os produtos Opel ao longo de 160 anos, desde máquinas de costura e bicicletas a motos e automóveis. Ao mesmo tempo, o construtor alemão continua a democratizar inovações dos segmentos superiores, combinando-as com as mais recentes tecnologias com um design dinâmico.

O novo Astra Sports Tourer assinala o início de uma nova era na história das carrinhas compactas da Opel. O novo Astra Sports Tourer é a primeira carrinha Opel a exibir o novo ‘rosto’ da marca, o Opel Vizor e o cockpit totalmente digital Pure Panel, bem como a pintura opcional bicolor. Além disso, confere seguimento à ofensiva elétrica da Opel. O novo Astra Sports Tourer é o primeiro a estar eletrificado, logo no arranque das encomendas, como híbrido plug-in e, no próximo ano, também como modelo elétrico alimentado a bateria.

Tudo começou em 1963 com o Kadett A Caravan. A Opel apresentou a sua primeira ‘station’ compacta, com a qual rapidamente se tornou líder no seu segmento de mercado. A partir daqui cada nova geração Kadett e Astra contou com uma versão prática e versão, bem como uma variante comercial. O Astra H (2004-2010) foi o último Opel compacto a utilizar a designação Caravan até ao final da produção. Entretanto, as ‘stations’ foram sofrendo alterações ao longo do tempo, evoluindo de uma ferramenta de trabalho para um companheiro ideal para o estilo de vida moderno. De acordo com estas evoluções e alterações, a partir de 2010, todas as ‘stations’ Astra passaram a ser designadas Sports Tourer.

Do Kadett A ao Astra L – uma história de sucesso ao longo de 11 gerações


1963-1965: Opel Kadett A

Tão espaçoso como um furgão: o primeiro Caravan


Em 1963, o Opel Kadett Caravan veio revolucionar a classe compacta. Uma grande bagageira e muito espaço para seis pessoas, graças a uma terceira fila de bancos, a que se juntou um novo e dinâmico motor com baixos custos de manutenção, foram a receita para o sucesso do Kadett A. Até 1955, a Opel produziu quase 650.000 unidades. Os contornos eram modernos. A linha de cintura era baixa e as janelas panorâmicas foram pensadas para oferecer uma boa visibilidade, ao passo que uma faixa decorativa ao longo da lateral acentuava a forma alongada da carroçaria. Os guarda-lamas dianteiros afunilavam-se nos faróis. O espaço interior impressionou profundamente os proprietários de pequenos modelos convencionais. A bagageira era um verdadeiro compartimento de carga e a tampa do depósito de combustível estava do lado de fora! “Opel Kadett em resumo: O.K.” escreveu a equipa de publicidade da Opel, incapazes de resistir a uma provocação aos seus concorrentes de Wolfsburg: “Nunca mais terá de sentir o cheiro a gasolina dentro da bagageira” diziam como que a piscar o olho. Com um moderno motor dianteiro refrigerado a água, o Kadett tinha outra grande vantagem face ao Carocha: o bloco de quatro cilindros com 993 cc debitava uns bem mais expressivos 40 cv.


1965-1973: Opel Kadett B Caravan
A força dos números: o Kadett foi uma história de sucesso na exportação



A seguir ao A vem o B e uma nova geração substituiu o primeiro modelo de 1965. A nova versão tinha mais de quatro metros de comprimento e, por conseguinte, era bastante maior que o antecessor. A versão Caravan, com a sua área de carga com 1,57 metros quadrados, estava disponível desde o arranque das vendas com a opção de duas ou quatro portas. Quanto à sua silhueta elegante, os designers foram buscar inspiração aos modelos do outro lado do Atlântico. Não foram apenas as dimensões que aumentaram, a potência também evoluiu. Os engenheiros da Opel aumentaram o diâmetro dos cilindros do bloco de quatro cilindros em 3 mm. A unidade básica de 1078 cc desenvolvia 45 cv. Também disponível estava um motor 1.1 S de alta compressão com 55 cv. O Kadett tornou-se rapidamente num sucesso, com mais de 2,6 milhões de unidades produzidas entre setembro de 1965 e julho de 1973. E o sucesso não se limitou ao seu país de origem. Em 1966, a sua quota de exportação chegou aos 50% quando clientes de 120 países de todos os cantos do mundo se deixaram seduzir pelo Kadett.


1973-1979: Opel Kadett C
Sólido como uma rocha: qualidade em todas as formas


A família Kadett C tinha muitos ‘rostos’: um carro familiar bem concebido, uma station’ elegante com um prático portão traseiro, ou um atraente coupé desportivo (GT/E). A versão Caravan chegou 1976, primeiro com duas portas e depois com quatro portas. No total, a Opel construiu 1,7 milhões de Kadett C Caravan entre 1973 e 1979. O Kadett C de tração traseira fez a sua estreia em agosto de 1973 com um design simples e dotado de um eixo dianteiro de triângulos duplos. O motor mais popular era o 1.2 com 60 cv e uns modestos 88 Nm de binário. As características de design incluíam uma grelha de radiador plana, um capô com o vinco de assinatura da marca e um avental dianteiro em forma de spoiler. “O Kadett não é apenas extremamente agradável de conduzir, também foi concebido de forma conscientemente e simples. Requer pouca manutenção, é fácil de reparar e é económico”, foram os elogios dos especialistas em ensaios da revista ‘auto-motor-und-sport’, na sua edição 20/73.


1979-1984: Opel Kadett D Caravan

Renovação: espaço em abundância


A quarta geração Kadett do pós-guerra introduziu uma nova era na classe compacta da Opel. No Salão de Frankfurt de 1979, o primeiro Opel com tração dianteira e motor transversal de quatro cilindros estreou-se sob a forma do Kadett D, com um visual moderna. A conceção era verdadeiramente convincente. O novo modelo, com 4,20 metros de comprimento era apenas ligeiramente mais longo que o seu antecessor, mas oferecia muito mais espaço que muitos dos seus rivais. Mas não foi apenas a configuração da mecânica e do chassis, com eixo de torção traseiro, que quebrou a tradição: o Kadett recebeu um novo motor OHC de 1,3 litros com potências entre 60 e 75 cv. Além da espaçosa ‘station’ com até 1425 litros de capacidade de carga, a Opel oferecia exclusivamente versões fastback. Para as famílias havia uma versão especial denominada Voyage Berlina. Outras modificações técnicas incluíram um chassis mais rígido e rebaixado, novos amortecedores de direção e travões de disco dianteiros com ventilados interna. Entre 1979 e 1984, foi produzido um total de 2,1 milhões de unidades Kadett D.


1984-1991: Opel Kadett E Caravan
Moldado no túnel de vento: Carro do Ano


O segundo Kadett de tração dianteira, comercializado entre 1984 e 1991, foi eleito ‘Carro do Ano 1984’ e foi um sucesso absoluto. Durante a sua carreira foram vendidas, no total, de 3.779.289 unidades, tendo sido o Opel mais vendido de sempre até então. Foi também um verdadeiro campeão mundial em aerodinâmica. Tendo por base o conceito de engenharia do seu antecessor, o Kadett E foi concebido para um obter um desempenho fantástico. Com um coeficiente de arrasto de 0,39, a geração anterior (Kadett D) já tinha sido o melhor da sua classe, mas esse valor foi suplantado pelo que foi apresentado pelo seu sucessor. Depois de 1200 horas no túnel de vento a ser aperfeiçoada ao pormenor, a versão de cinco portas alcançou um excecional valor de 0,32 (0,35 para a Caravan). Passados alguns meses no mercado, o Kadett E conquistou totalmente os clientes, abrindo o caminho para mais uma história de sucesso que traduziu ao em nada menos de 625.000 unidades vendidas na Europa em 1987. Nessa altura, as versões de duas e quatro portas já tinham alcançado o topo da classe. Em 1987, duas Caravan equipadas com motor Diesel de 54 cv partiram para uma viagem de 30.000 quilómetros do Alasca à Terra do Fogo, tendo ambas alcançado o destino final em total em segurança. A partir de abril de 1989, todos os Kadett com motor a gasolina comercializados na Alemanha, passaram a estar equipados com catalisador.


1991-1997: Opel Astra F Caravan

Renascimento: Kadett torna-se Astra




Com cerca de 4,13 milhões de unidades produzidas entre 1991 e 1997, o Astra F tornou-se no modelo Opel mais vendido de sempre. O trabalho de desenvolvimento centrou-se na combinação de um design moderno com mais espaço interior e maior conforto, bem como um grande foco na proteção ambiental. O sucessor do Kadett assumiu o nome do modelo irmão britânico (desde 1980 que a quarta geração Kadett era comercializada no Reino Unido como Vauxhall Astra 1980). A Caravan foi, desde logo, uma versão de grande sucesso. Paralelamente, a Opel lançou uma ofensiva de segurança envolvendo a sua nova estrela. Todos os Astra ofereciam um sistema de cintos ativos com tensores nos cintos de segurança da frente, cintos e bancos ajustáveis em altura, bem como proteção contra embates laterais com duplos reforços (tubos de aço) em todas as portas. Pela primeira vez, todos os motores vinham equipados com catalisador.


1998-2004: Opel Astra G Caravan
Totalmente galvanizado: a caminho do novo milénio

Lançado na primavera de 1998, o Astra G estava disponível, desde logo, como hatchback de 3 e 5 portas e como station. O design progressivo e independente, o chassis dinâmico e a tecnologia das motorizações, bem como quase o dobro da rigidez torsional do seu antecessor, foram apenas algumas das características da totalmente nova segunda geração do Opel Astra. A carroçaria totalmente galvanizada da nova geração desempenhou um papel fundamental na retenção de um elevador valor residual. O volume da bagageira aumentou para 1630 litros e os clientes particulares deram preferência à Caravan Club, ricamente equipado e com motor de 115 cv. A segurança ativa foi melhorada com um aumento de 30% na capacidade de iluminação dos faróis H7 de halogénio transparentes, e com um chassis totalmente redesenhado, denominado Dynamic Safety (DSA). O resultado era uma combinação perfeita entre conforto e um comportamento ágil e seguro, mesmo quando sujeita à carga máxima a bordo. A distância entre eixos era cerca de onze centímetros mais longa, permitindo mais espaço interior, particularmente, principalmente ao nível dos joelhos dos ocupantes do banco traseiro; o um volume da bagageira também aumento, para um máximo de até 1500 litros. A ‘station’ compacta mais veloz de sempre – a Astra OPC Caravan – chegou em 2002 e o que parecia ser uma modesta ‘station’ familiar surpreendeu muitos automobilistas ao deslocar-se nas autoestradas alemãs a velocidades na ordem dos 240 km/h.


2004-2010: Opel Astra H Caravan
Faróis e suspensão adaptativos: um conceito vencedor

Com uma gama de doze motores abrangendo um leque de potências entre 90 e 240 cv e nada menos de sete variantes de carroçaria, a ampla família de versões do Astra H proporcionou um amplo sucesso de vendas, com mais de 2.7 milhões de unidades comercializados, um número excecional. Aquando do seu lançamento em março de 2004, a terceira geração do Opel Astra ostentava um design progressivo, uma condução fortemente dinâmica e diversas inovações técnicas, ganhando, imediatamente, vários comparativos nas publicações especializadas no setor automóvel. Os destaques tecnológicos do Astra incluíam o sistema de chassis adaptativo IDS Plus com Controlo de Amortecimento Contínuo (CDC) eletrónico, algo apenas disponível em modelos de luxo ou desportivos, bem como o sistema de faróis dianteiros adaptativos (AFL) com iluminação dinâmica em curva. O Astra também dispunha de elevados níveis de segurança. A versão Caravan destacou-se pela generosidade do espaço oferecido aos passageiros.


2010-2015: Opel Astra J Sports Tourer
A beleza conjugada com a versatilidade: o primeiro Sports Tourer



Arte escultural combinada com precisão alemã: a dinâmica ‘station’ foi lançada um ano após a versão de cinco portas e, pela primeira vez, adota a designação Sports Tourer. O Opel Astra J não só incorporava a nova linguagem de estilo da marca, como manteve o sistema inteligente de arrumação Flex-Fold, com até 1500 litros de espaço útil, e apoiava os condutores com um conjunto de tecnologias que já tinham dado um importante contributo para o sucesso do best-seller Insignia. A câmara frontal reconhecia os sinais de trânsito e informava o condutor dos limites de velocidade e proibições de ultrapassagem. Também alertava o condutor caso o veículo estivesse prestes a de sair da sua faixa de rodagem. Com o sistema de faróis AFL+, o Astra ‘via’ em curva e, se necessário, comutava automaticamente para máximos. Com um chassis que podia ser melhorado com a tecnologia de suspensão adaptativa FlexRide, o Astra Sports Tourer conseguia retirar todo o rendimento dos seus atributos dinâmicos. Os condutores do Astra também beneficiaram de uma nova geração de bancos dianteiros, desenvolvidos segundo os mais recentes avanços em ergonomia e segurança, os quais receberam o selo de qualidade de médicos e especialistas independentes da AGR (‘Campanha para Costas Saudáveis’).


Desde 2016: Opel Astra K Sports Tourer
Pura eficiência: motores de mistura pobre

Reduções de peso de até 190 kg, significativamente mais espaçoso no interior, apesar das dimensões praticamente idênticas, e mais eficiente graças ao uso exclusivo de motores da nova geração, o Opel Astra Sports Tourer foi um salto quântico no desenvolvimento, e foi rapidamente eleito ‘European Car of The Year 2016’.

O Astra K continuou a tradição dos seus antecessores. O novo Sports Tourer também se destacou graças à sua tecnologia de iluminação. Foi o primeiro modelo a introduzir a tecnologia de matriz de LED adaptativa Intelli-Lux LED® - até ali reservada aos modelos de luxo e Premium dos segmentos superiores. As novas gerações de sistemas de assistência ao condutor incluem também o assistente de sinalização de trânsito, manutenção na faixa de rodagem com alerta de saída de faixa, além do alerta de colisão dianteira com travagem de emergência. Além disso, o novo Astra K voltou a proporcionar o melhor bem-estar a bordo graças aos novos bancos ergonomicamente concebidos e certificados pela organização AGR. Estes novos bancos dianteiros podiam ser enriquecidos com funções de ventilação e massagem.


A partir de 2022: Opel Astra L Sports Tourer
Uma carrinha eletrificada e elegante, com Opel Vizor e Pure Panel



Com a estreia mundial do novo Astra no outono de 2021, o construtor alemão encetou um novo capítulo. Pela primeira vez, o modelo compacto apresenta-se eletrificado, nas versões de cinco portas e ‘station’. A Opel oferece o Astra Sports Tourer como híbrido ‘plug-in’ e, a partir de 2023, também numa versão totalmente elétrica alimentada a bateria. Versões com motores a gasolina e Diesel, altamente eficientes e combinadas com caixa de 6 velocidade ou automática de 8 velocidades, completam o portefólio de motorizações.


O novo Astra Sports Tourer constitui também uma afirmação do design da marca. Apresenta-se dinâmico como nunca, com linhas puras e intensas, ‘desintoxicado’ de elementos supérfluos e com o novo ‘rosto’ da marca, o Opel Vizor. Além disso, o novo Astra Sports Tourer, prático e versátil, exibe o habitual talento da marca em matéria de conceção eficiente. Enquanto o comprimento total é 6,0 cm mais curto que o modelo anterior, a distância entre eixos é 7,0 cm mais longa, o que resulta em melhoramentos no conforto e no volume da bagageira. No interior, a interface homem-máquina (HMI) totalmente digital Pure Panel, oferece aos clientes uma experiência genuína e intuitiva.


Fonte: Setallantis

voltar à listagem